domingo, 16 de setembro de 2012

PELA PAZ DE GENTE DE PAZ...

Ainda estão no ar as ressonâncias dos resultados das últimas eleições legislativas angolanas, em que, mais uma vez, ficou no ar o expectro da fraude eleitoral. O MPLA, como vem fazendo desde há muitos anos, continua a arrogar-se como única força capaz de garantir a paz e o progresso a Angola, mas não se coibe de criar rabos de palha com a falta de credibilidade que se acentua cada vez mais, porque não conseguiu ontem o Governo de Eduardo dos Santos escusar-se à utilização de meios fraudulentos bem arquitectados mas tipo gato escondido com rabo de fora.

 
Depois da mal contada história da revolta de Nito Alves, com o assassínio de milhares de pessoas inocentes, acusados de  fazerem parte da Revolta Activa, com a  repressão, que o regime do MPLA levou a cabo contra os seus adversários, porque não conseguiu decepar a cabeça dos outros Partidos signatários dos acordos do Alvor e teve de começar a limpar os caminhos a partir do seu próprio quintal. As cadeias em Angola nunca estiveram vazias. Angola hoje é tudo, menos um estado de direito.

 
Jamais pode haver paz entre as pessoas de um Pais quando este fundamenta a sua existência e independência  com as mortes de inocentes - não podemos esquecer o terror dos anos 60 e seguintes -, seja por força da guerra colonial seja na guerra civil... que lançou irmãos contra irmãos, mas também arregimentou forças estrangeiras para combater por ambos os lados. Não se sabe a que preço, mas quero acreditar que esse preço é tremendamente oneroso para as populações, que não tiveram então voto na matéria, como hoje continuam a não ter.
O Presidente de Angola teve de mandar matar Jonas Savimbi para ter todas as riquezas do solo de Angola nas mãos, porque sabemos que Savimbi dominava o comércío dos diamantes e outros, sendo este o modo como adquiria armas para a guerra ao MPLA. Eduardo dos Santos não teve qualquer problema de consciência na 'corrupção' de Oficiais da UNITA para que estes traíssem o seu líder, mas vários factores contribuíram para que alguns homens de Savimbi cometessem o crime da traição que conduziu à sua morte.
O Povo do Norte de Angola é um Povo de Paz, que dá tudo pela justiça e não se orgulha dos feitos da UPA em 1961, no que respeita aos muitos mortos então feitos. E porque é um Povo de Paz, espera com fé que esta seja em breve uma realidade.




2 comentários:

M Carvas disse...

Negage ,de onde e de quem pertence? A pergunta é feita por eu ser a minha terra.

Victor Elias disse...

O Negage é em Angola, no distrito do Uíje e pertence às gentes que a aviram nascer, a construíram... a amam!