domingo, 11 de setembro de 2011

o 11 de Setembro...

É sempre duro morrer por causa fundamentalista, por causa de um fanatismo capaz de usar o terror da forma mais hedionda que se possa imaginar, como foi o acontecido no dia 11 de Setembro de 2001, em Nova Iorque. Morreram mais de 3.000 americanos e muitos emigrantes que ali trabalhavam. O ataque às Torres Gémeas foi uma pura manifestação terrorista, que o mundo deve condenar.
No entanto, quando reflito sobre este trágico acontecimento que enlutou a América, não posso deixar passar em claro o facto de ter sido um Presidente dos Estados Unidos, de seu nome John Kennedy, quem incentivou os Movimentos Independentistas da então África  Portuguesa a pegarem em armas e expulsarem os portugueses através do terror. Esse acabou por pagar com a vida esta e outras posições tomadas, pois quem incentiva o terrorismo é justo que pague as vidas inocentes com a própria vida.
Lee Oswald foi o executor. Foi desde logo apelidado de terrorista... mas mais não fez que liquidar quem apoiava este método de actuação.
Se em 2001 a América chorou 3.000 mortos, em 1961 Portugal chorou em Angola mais de 8.000 vítimas de um crime terrorista cujo inspirador e financiador era... americano e Presidente de uma Nação que se diz defensora das liberdades.
O caricato da situação é o inspirador do ataque às Torres Gémeas ter sido treinado pelos Estados Unidos. A obra virou-se contra o criador, que teve de acabar por o mandar matar, para evitar males maiores.
"O terror combate-se com o terror", dizem alguns teóricos, mas as consequências são sempre sofridas por quem não tem qualquer culpa. Foi assim no terrorismo da UPA ou do MPLA, não colocando a UNITA de fora, porque também o praticou. Os Estados Unidos não estão isentos, porque maior terror que aquele que a CIA vai promovendo não é imaginável!
Os mortos são sempre o elo mais fraco, porque apanhados no meio dos interesses desses que se dizem guardiões da democracia e da liberdade... mas que vendem as armas que causam o terror entre os homens de boa vontade.
Quem com ferros mata... com ferros morre!