quarta-feira, 9 de março de 2011

ANGOLA... ADIADA?

Parece que José Eduardo dos Santos ainda se não cansou de ter o "seu" Povo a gritar com fome de tudo o que de mais importante falta no seu quotidiano! O Senhor todo poderoso de Angola não se apercebeu ainda que as fomes não são apenas de pão, mas também de justiça, de bem estar social, de paz, de trabalho igual para todos, de educação e cultura, de liberdade em todas as circunstâncias, porque não basta ser livre para gritar vivas ao Presidente... porque o MPLA é a referência que pocurará dar aos militantes ou apoiantes aquilo que eles mais procuram, que é dinheiro e posição social acima de qualquer outro dos angolanos... desde que se saibam gritar vivas ao dos Santos e seus apaniguados.
Trinta e dois anos de ditadura partidária, de roubos de igreja que bradam aos céus, porque não é possível alguém acreditar que um grupo de criminosos terroristas, que se diziam combatentes da liberdade e independência mas mancharam as mãos de sangue inocente em nome de uma Angola que lhes permitisse encherem os bolsos com aquilo que foram "confiscando" aos que eram mortos ou corridos para o mar, como o ideólogo de toda a trama, o falecido e endeusado "pai da Pátria" Dr Agostinho Neto, algumas vezes preconizava.
Este José Eduardo, que em Moscovo estudou enriquecimento rápido a par da engenharia, está a dar mostras de ser um fiel servidor do MPLA de Neto, pois procurou deixar fora de combate o Dr. Jonas Savimbi e enxovalhou Holden Roberto para lá do exigível, pois ele não pretendeu jamais outra coisa que não fosse vêr os Portugueses de costas... e isso bastou-lhe, já que os amigos americanos lhe deram o necessário enquanto dele necessitaram! Mas a União Soviética trabalhou bem o seu fantoche... deixando que ele enchesse a blusa das ricas filhinhas, fazendo delas bons partidos, ao mesmo tempo que cumpria os mil e um desideratos que a Mãe Rússia lhe tinha traçado na linha do futuro.


Leio mil notícias de grandes conquistas de Angola em termos de crescimento... com avenidas de sonho, edifícios de fazer sonhar, indústrias várias que estão em alta... mas nada de se anunciar que o povo está finalmente a gozar tudo aquilo que é seu por direito inalienável, como seja o ter acesso à saúde, ao trabalho em igualdade de circunstâncias com os que têm cartão do Partido governamental, à habitação condigna, com tudo aquilo que é exigível para que possam ter um local capaz de ser factor contributivo para o bem estar familiar... etc...etc...
Quem viu Luanda nos finais dos anos 70 e vê a Luanda pós independente, não cometerá o crime de dizer que tudo está como antes... porque mesmo com as novas construções, a cidade está um caos! O lixo é mais que muito; as doenças são alarmantes; só há alcatrão para as vias onde residem os novos ricos, na Luanda Sul, pois o resto é paisaigem.
Trinta e muitos anos depois da independência, é de crêr que Angola evoluiu positivamente em muitos aspectos... mas aquilo porque um dia se derramou o sangue inocente de tantos Portugueses e Angolanos foi a esperança de se alcançar a liberdade e independência em plena democracia, porque esta não é um papão para ninguém, mas exige consciencialização daqueles que governam, para que seja um bem em si mesma e não mais uma chaga aberta pela intolerência daqueles a quem foi cometido defendê-la com o mesmo empenho que colocaram na sua conquista!
As recentes manifestações são a prova de que o Governo angolano não está preparado para a democracia, não está consciente do seu papel relevante na construção de um País que seja uma referência no contexto africano, capaz de ser exemplo para os outros do que pode conseguir-se com urbanidade, verdade, tolerância, consciencialização, justiça, segurança, trabalho, equidade e aplicação real de todas as boas normas exigidas pelas relações humanas.
Talvez seja chegado o tempo para se dizer basta às injustiças de um Governo que não merece o Povo que tem!

Sem comentários: