sábado, 30 de outubro de 2010

NESTE HALLOWEEN 2010...

...QUE TODOS OS VOSSOS DESEJOS SE CONCRETIZEM... QUE OS AMIGOS VOS NÃO FALTEM COM A AMIZADE... QUE TENHAM TRABALHO, SAÚDE, DINHEIRO PARA O QUOTIDIANO... QUE O AMOR SEJA UMA PRESENÇA CONSTANTE NA VOSSA VIDA...
Espero que estes "bruxedos" se concretizem em ti e nos teus, e para o ano possas voltar a ter o prazer de lêr novamente estas "profecias", se é que te dá mesmo prazer fazê-lo!

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

TODOS OS SANTOS... ESTAMOS NESSA!

Não tardará muito e Angola estará a comemorar mais um ano da sua independência... e isso não poderá passar sem uma reflexão, considerando estar a Igreja a comemorar TODOS OS SANTOS E SANTAS DE DEUS, a que se seguirá TODOS OS FIÉIS DEFUNTOS.
É precisamente porque o dia 2 de Novembro recorda aqueles que morreram e foram para junto de Deus, depois que no dia 01 lembrou os que mereceram as honras de estarem inscritos no rol dos bem aventurados, sejam eles mártires, confessores, doutores da Igreja ou simples homens e mulheres que sofreram com Cristo e com Ele foram glorificados, porque Santos são aqueles de qualquer estadio ou ordem que foram chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade, porque todos somos chamados à santidade: "SEDE PERFEITOS COMO O VOSSO PAI CELESTE É PERFEITO" -. Mt 5,48
Em Portugal o Dia de Todos os Santos é o dia em que as crianças, bem cedo, saem à rua em pequenos grupos e vão pedir o "PÃO POR DEUS".
Em alguns locais diz-se que é o DIA DOS BOLINHOS. Logo depois do almoço, vai-se até aos cemitérios enfeitar as campas dos nossos familiares e amigos falecidos, porque no dia 2 é Dia de Finados ou de Fiéis Defuntos.
Quando estava em Angola, concretamente no Negage, também estes dias eram vividos segundo a tradição da Metrópole, com os "Bolinhos" ou "Pão por Deus" e tudo o que isso comporta.
Hoje julgo que os únicos Santos que se comemoram na República de Angola serão a família Presidencial, ou Dos Santos, porque para eles o Povo não deve contar muito, a fazer fé na miséria que se encontra disseminada por todo o País. Estou a vêr as crianças, tolhidas pela fome, a irem à porta de casa da presidencial figura de Eduardo dos Santos ou das suas ricas filhinhas - e digo ricas no verdadeiro sentido do termo - pedirem "Pão por Deus" e serem corridos porque lhes foram soltos os cães.
Só que em Portugal, quando lhes não dão resposta positiva, os miúdos usam dizer "ESTA CASA CHEIRA A UNTO, POIS ESTÁ AQUI ALGUÉM DEFUNTO!", quando não coisas piores.
Seria bom que não houvesse nada a dizer quanto à festa da independência de Angola, a não ser que o Povo passou a ser tratado como merece e não como algo que se tolera, porque o mundo está atento e não gostaria de saber que apenas alguns beneficiam das prerrogativas que a riqueza do País dá para prover o efectivo bem estar de todos aqueles que são, quer queiram os Governantes ou não, os verdadeiros Santos e Santas de Deus... mesmo que não sejam conhecidos por ostentar esse nome, como alguns que se conhecem. Porque os Mártires, aqueles que sofrem fome e sede e padecem por amor de Cristo, são os que futuramente serão recordados nos 10 dias antecedentes à independência.

sábado, 9 de outubro de 2010

ANGOLA...

Há duas situações que acontecem na independente República de Angola em que apenas poderei apontar Portugal como único culpado: - o não ter acautelado os direitos dos Portugueses ali nascidos, quando entregou o território ao MPLA, e bem assim não se ter lembrado que iriam ser as populações locais, em primeira instância, as maiores vítimas de todos os males que assolaram aquele País após a independência unilateral que veio a ser proclamada, não deixando de colocar em primeiro lugar a fome que as crianças indefesas vão passando, em detrimento dos senhores do Partido governamental que se têm tornado em donos todos poderosos das riquezas que Angola produz.
Tive ensejo de trocar ideias com pessoas que lá conheci, que mostravam preocupação com a confusão instalada no meio dos Militares Portugueses, queixando-se eles que já não sabiam a quem deveriam obedecer, porque as ordens estavam constantemente a ser objecto de controvérsia, além de que haviam alguns que parecia terem a incumbência de proceder a uma lavagem ao cérebro com as tentativas de lhes incutir ideologias marxistas. Eram esses os mesmos que procediam a continuados boicotes à ajuda que as populações pediam à Tropa.
Doía a alma ouvir os nossos superiores dizerem que tudo iriam fazer para os ajudar... mas era apenas para os calar, pois aos seus comandados não transmitiam qualquer ordem para ajuda às populações... não acontecendo qualquer auxílio, na maioria das vezes.
Quando se ouvem vozes de Portugueses responsáveis pelos massacres de populações, pois eram mentores da entrega do território a qualquer preço, dizerem agora que jamais pensaram num regresso tão maciço de residentes, que vieram apanhar Portugal desprevenido e sem condições para absorver toda a mole humana que demandou o País, para fugir dos horrores da guerra civil angolana, apetece apenas vomitar!
Curiosamente, há militares que dizem que muitos brancos desmotivaram e resolveram baixar os braços, mas esquecem o facto de terem sido eles os primeiros a fazê-lo. O 25 de Abril veio a trazer para o futuro do Ultramar Português as mais funestas consequências, porque as constantes manifestações nunca foram a favor da justiça social mas sim das conveniências sócio-económicas de uns tantos... e hoje, 36 anos depois da revolução, vê-se que em Portugal uns tantos encontraram a "árvore das patacas" e encheram os bolsos à conta dos mais humildes... acreditando que as lições de Angola foram assimiladas... e para não serem apenas as crianças angolanas a penar com fome, chegou a hora de as da antiga Metrópole se solidarizarem com elas.
Triste sina de quem tem de aturar governos com tal carácter!