quinta-feira, 9 de outubro de 2008

OUTRAS GUERRAS NO NEGAGE


* Quando vou ao álbum das recordações, que guardo ciosamente no meu cérebro, o cofre forte inviolável para as coisas que pretendo guardar da curiosidade de alguns, que não desdenhariam poder encontrar ali farta matéria para se cortar na casaca sobre factos que são tabu... até que me dê na telha aquela vontade de colocar a nu tudo aquilo que me vai na alma!
* Enquanto tal não acontece, dedico alguns momentos de reflectida prosápia onde se fala disto e daquilo... até de nada em especial. Hoje dedico à visita feita pelo Governador Geral Rebocho Vaz ao Negage, no âmbito da inauguração da I Exposição Feira Agro-Pecuária e Industrial, ali realizada.
* Depois de muitas horas de trabalho, onde imperou o bom gosto na concepção, decoração e apresentação dos diversos pavilhões que acolheram o evento, lá chegou o grande dia da inauguração. O Governador entrou no Negage devidamente escoltado por batedores da PSP, perante a satisfação de todos, que o iam vitoriando na sua passagem.
* Nestas alturas há sempre alguma coisa que falha... e um improvisado "sinaleiro", envergando o Uniforme nº. 1 da Força Aérea, onde se ostentavam umas divisas de Furriel, postou-se no meio da Avenida Salazar, mesmo em frente frente à Companhia Congo-Agrícola e ao Gaspar & Fernandes, a regular o trânsito com aqueles gestos apenas capazes de ser reproduzidos por quem esteja completamente embriagado. Um Jeep da Polícia tratou de retirar o "sinaleiro" de serviço voluntário e levá-lo para a Esquadra, ali mesmo ao pé.
* Como é lógico perceber-se, os colegas não gostaram de saber que o embriagado Furriel havia sido levado para o Posto... e toca e ir lá tentar que ele fosse devolvido à "santa liberdade", pois ele até estava a colaborar com a Polícia, que devia ter providenciado colocar ali alguém a regular o trânsito. Era uma indecência o que lhe estavam a fazer.
* O Chefe da Esquadra, que até tinha sido militar no Aeródromo Base 6, mandou que os seus homens, empunhando pistola-metralhadora, mantivessem os militares à distância. Perante tal prova de força... os militares da Base foram embora, mas resolveram mobilizar-se e organizar manobras de diversão no recinto da Feira, provocando a Polícia... que tinha vindo de Carmona para reforçar as forças do Negage, que eram em número reduzido.
* É indescritível aquilo que aconteceu naquele dia de inauguração. O pessoal da Polícia Aérea foi chamado para pôr termo à guerra que se havia instalado, bem como as forças de choque dos Voluntários, que cercaram todo o recinto... mas não sabiam quem era quem naquela emergência e deixaram que o pessoal da Força Aérea abandonasse o local sem problemas. Quando souberam que eram eles quem tinha feito eclodir a guerra, ainda foram até à Base, mas já não viram ninguém a quem pedir responsabilidades.
* O Governador do Distrito, Coronel Guardado Moreira, mandou fazer um inquérito, mas foi inconclusivo, porque a união entre todos os militares prevaleceu e ninguém veio a ser responsabilizado. O Furriel que, involuntáriamente, provocou a zaragata, sofreu uns dias de detenção por não se apresentar sóbrio e ter contribuído, com a sua acção, para os desacatos verificados na exposição, que foi um êxito retumbante, mesmo com este percalço inaugural, que serviu para marcar de forma indelével o evento.
* Durante o tempo em que os homens do Governo de Distrito, do Comando Distrital da PSP de Angola, da Judiciária e da PIDE andaram a caminhar para o Aeródromo Base nº. 3, para tentar encontrar culpados da guerra com a PSP, houve uma certa tensão entre o pessoal, pois havia o receio de que as diferenças entre as especialidades contribuissem para que alguém pudesse mostrar falta de solidariedade, mas tal nunca aconteceu, felizmente para todos.

1 comentário:

TINTA PERMANENTE disse...

Por linhas e travessas e a propósitos de coisa bem diversa, dei com um endereço, no Google, que me chamou a atenção. Este. Porquê? Porque tinha lá a palavra, tipo abre-te sézamo!: Negage!
Que significa três anos. Três (bons) anos da vida. E, por isso, passei por aqui para deixar...

um abraço!