sábado, 3 de maio de 2008

RACISMO...RACISMOS...PRECONCEITOS...

  1. * Nos meus tempos de ócio, andei a pesquisar tudo o que podia sobre psicologia, especialmente no que a preconceitos e estereótipos respeita, pelo que, como não podia deixar de ser, andei a dissecar os racismos naquilo que os dois termos me poderiam dizer. O racismo - os racismos, porque há mais que um - tem muito por onde se pegue, para quem queira documentar-se e tentar compreender o porquê, como, quem ou onde tal "fenómeno" ocorre.
  2. * Alguém escreveu, um dia, que "o racismo é inevitável", coisa que eu contesto em absoluto, porque não será de todo "inevitável", mas apenas "não desejável". No entanto, a doutrina racista tende a preservar a unidade da raça e assenta na suposta superioridade de uma raça que se confere o direito de exercer o domínio sobre as outras ou ter reacções e tomar atitudes que se harmonizam com esta teoria. Não raro acontece haver hostilidades face a um grupo étnico ou social, como acontece os ciganos, por exemplo.
  3. * Quando vamos pela rua, se tomamos a iniciativa de seguir a pégadas de um qualquer casal "branquinho da Silva" e não os trilhos seguidos pelo casalinho "achocolatado", estamos a tomar uma posição racista. Um dia, já não sei bem quando, fui dar sangue para uma rapariga de côr, que tinha sido vitimada por um atropelamento na via principal do Negage. Um dos enfermeiros que prestava serviço no AB3, que até era mulato, perguntou-me se sabia o que estava a fazer, ao dar sangue para "uma preta". Respondi que sabia bem e que, quando dava sangue, jamais perguntei para quem era destinado. Era preciso, dava e mais nada. Ele concordou e não disse mais nada, mas os pais da rapariga, quando a foram visitar ao Hospital de Carmona, para onde foi transferida após os tratamentos no Aeródromo, ficaram muito admirados de ter sido um branco a dar sangue para a sua menina. Quando vieram agradecer, apenas lhes disse que era sinal de que a côr da pele nada tem a vêr com o íntimo de cada um! Diferentes na pele, mas iguais em tudo o resto.
  4. * Tudo isto para dizer que é imperioso mudar a nossa atitude e comportamentos perante o racismo. Os estereótipos estão presentes, mas apenas devem servir como a luz que ilumina o nosso caminho e não como um caminho ou dado adquirido. É estupidez fingir-se que não existem esteótipos para evitar ser-se racista. Angola é um país que vive um racismo mais ou menos camuflado... se atentar-mos naquilo que se vai verificando no dia-a-dia daqueles que agem como se estivessem a lidar com seres inferiores... mas não se pense que é de brancos para negros ou vice-versa! Não! Prestos, brancos, mulatos, cabritos, albinos e o que mais adiente se possa encontrar nestas terras de Deus, vivem para além da realidade que seria desejável entre humanos. E então é vêr quem manda em quê... como se a côr da pele desse ascendência a alguém sobre outro ser de côr diferente.
  5. * Uma pergunta deixo no ar: - É mais racista o branco que o negro? Ou será que o contrário também é uma realidade que pode ser constatada no dia-a-dia, quer de uns quer de outros? É frequente verem-se homens de côr a engraxar sapatos... em detrimento dos brancos... mas isto será sinal de superioridade? Só porque os empregados de mesa nos cafés são homens negros, será que são inferiores aos brancos? Não são seres inferiores, mas apenas e tão só mais ingénuos que os brancos! Não usam de esperteza saloia nas suas relações com os brancos, como estes fazem entre si!
  6. * Mas não se pense que isso os iliba das responsabilidades tidas nos massacres perpetrados contra homens, mulheres e crianças, brancos e negros, quando eclodiu a maior prova de intolerância rácica, que foi o terrorismo no Norte de Angola. Aí foi notório todo um ódio contra os brancos - e não se pense que apenas era uma guerra contra o colonialismo português, porque bastava ser-se branco ou trabalhar para o branco para se ser réu de morte - e bem assim contra os Bailundos, cujo único crime foi trabalharem para os brancos. Julgo que o racismo negro é mais que notório na actual sociedade angolana. E é pena que assim seja. Nenhum racismo tem justificação, nem de brancos para negros nem destes para brancos.
  7. * Voltarei a este tema.

Sem comentários: